Veja Também

Notícias

publicado em 17/02/2017

E-commerce brasileiro fatura R$ 44,4 bilhões em 2016, alta de 7,4%

Recentes

22

MAR

publicado 22/03/2017
Aberto ao público, o evento é promovido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) com o apoio da camara-e.net,

22

MAR

publicado 22/03/2017
Evento gratuito para executivos do setor financeiro acontece no dia 28/03, na capital paulista

21

MAR

publicado 21/03/2017
Promovido pela camara-e.net, evento é voltado para micros, pequenos e médios empreendedores
Varejo Online

Faça o download gratuito da 35ª Edição do Webshoppers:

www.ebit.com.br/webshoppers

O e-commerce brasileiro fechou 2016 com faturamento de R$ 44,4 bilhões, crescimento nominal de 7,4% ante os R$ 41,3 bilhões registrados em 2015, segundo relatório Webshoppers nº 35, divulgado pela E-bit, empresa de informações sobre o varejo eletrônico nacional. No entanto, foi o menor crescimento registrado desde o início da série histórica, em 2001.

O número de pedidos permaneceu estável, em 106,3 milhões, mas o tíquete médio registrou alta de 8% na comparação entre os períodos, passando de R$ 388 para R$ 417.

Apesar de ser o menor crescimento registrado desde o início da série histórica, em 2001, o CEO da E-bit, Pedro Guasti, considera o resultado positivo. "O comércio eletrônico foi um dos poucos setores a andar na contramão da crise econômica. Além dos preços competitivos na comparação com o varejo físico, o e-commerce também foi beneficiado pela expansão do mercado de smartphones, que trouxe uma enorme gama de novos consumidores", diz.

Aumento de consumidores e renda
O número de e-consumidores ativos cresceu 22% na comparação com 2015, de 39,14 milhões para 47,93 milhões. Houve aumento das vendas via dispositivos móveis (tablets e smartphones), que concentraram 21,5% das transações em 2016, ante 12,5% do ano anterior.

A renda familiar média aumentou 8% na comparação entre 2015 e 2016, de R$ 4.760 mil para R$ 5.142. "Esse movimento mostra o enfraquecimento da classe C nas compras do comércio eletrônico e consequente maior participação das classes mais abastadas nas compras virtuais", ressalta Guasti.

Seguindo a tendência registrada desde julho de 2014, as lojas de e-commerce mantiveram a estratégia de cobrar pelo frete. Em dezembro de 2016, apenas 36% das vendas foram realizadas sem a cobrança adicional pela entrega.

Compras internacionais
Além do relatório Webshoppers 35ª edição, a E-bit divulgou também a 4ª edição da Pesquisa Cross Border, que avalia o comportamento de compra dos consumidores brasileiros em sites internacionais.

Mesmo em um cenário cambial desfavorável, quando o dólar ultrapassou os R$ 4 no primeiro trimestre, os brasileiros gastaram US$ 2,4 bilhões em sites de compra internacionais em 2016, alta de 17% ante os US$ 2,02 bilhões registrados em 2015. O número de consumidores únicos aumentou 21% na comparação entre os períodos, para 21,2 milhões de consumidores únicos.

Veja as 5 categorias mais vendidas em 2016, em volume de pedidos:

1) Moda e Acessórios - 13,6%
2) Eletrodomésticos - 13,1%
3) Livros/Assinaturas/Apostilas - 12,2%
4) Saúde/Cosméticos/Perfumaria - 11,2%
5) Telefonia e Celulares - 10,3%

As 5 categorias mais vendidas, em faturamento:

1) Eletrodomésticos - 23%
2) Telefonia/Celulares - 21%
3) Eletrônicos - 12,4%
4) Informática - 9,5%
5) Casa e Decoração - 7,7%

As categorias mais compradas em 2016 por consumidores brasileiros em sites internacionais:

1) Eletrônicos - 34%
2) Informática - 25%
3) Moda e Acessórios - 24%
4) Telefonia - 18%
5) Brinquedos - 17%

Retomada do crescimento

Para 2017, o relatório aponta que o e-commerce brasileiro faturará R$ 49,7 bilhões, com crescimento nominal de 12%. O tíquete médio deverá expandir 8%, para R$ 452, enquanto que, para o volume de pedidos, a expectativa é de uma alta de 4%, para 110 milhões.

A E-bit prevê 40% de crescimento das compras feitas por meio de dispositivos móveis no comércio eletrônico. A expectativa é que 32% das transações provenham de smartphones e tablets em dezembro de 2017.

"Além da migração de consumidores do varejo físico, o crescimento do e-commerce deverá ser impulsionado pelo aumento de preços e também pela participação das vendas de categorias de produtos de maior valor agregado, tais como eletrodomésticos, smartphones, eletrônicos, acessórios automotivos e casa e decoração", avalia Guasti.

Fonte: G1 e E-Bit

comments powered by Disqus
Nossos Associados
Associe-se

Conheça as vantagens de ser nosso associado.

Camaranet todos os direitos reservados - 2013